Tecnologia a distância para educação permanente de enfermeiros

Delmo de Carvalho Alencar, Maria do Carmo Campos Pereira, Elaine Maria Leite Rangel Andrade

Texto completo:

HTML (Português (Brasil))

Resumen

Introdução: a efetividade da Educação permanente online pode ser justificada pela flexibilidade da aprendizagem adaptada conforme as necessidades dos enfermeiros e acessibilidade em qualquer tempo e espaço. Essa forma de Educação permanente tem sido vista como viável e adequada para as condições de trabalho da maioria dos enfermeiros.

Objetivo: verificar na literatura quais são as tecnologias a distância mais utilizadas para educação permanente dos enfermeiros.

Métodos: revisão integrativa da literatura, a partir dos descritores controlados; educação a distância, educação em enfermagem, educação continuada e enfermagem acrescidos do operador booleano AND. A busca dos artigos foi realizada nas bases de dados Lilacs, PubMed, CINAHL, Web of Science e no portal de periódicos Scielo, no período de janeiro de 2005 a abril de 2015.

Conclusões: foram elegíveis 18 artigos publicados entre 2006 e 2015, sendo quinze no Brasil e três no exterior. Quanto ao nível de evidência, nove eram nível IV, quatro Nível VI, três Nível III e dois Nível II. Quinze artigos utilizaram o AVA como tecnologia a distância para educação permanente de enfermeiros, dois a Telenfermagem e um Web site para abordar diversas temáticas. a escassez de estudos experimentais e quase-experimentais em relação a utilização das tecnologias a distância para educação permanente de enfermeiros evidencia a necessidade de se realizar pesquisas desta natureza sobre essa temática.

Palabras clave

tecnologia; educação a distância; educação em enfermagem; educação continuada; Enfermagem.

Referencias

ÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Mutea N, Cullen D. Kenya and distance education: A model to advance graduate nursing. International Journal of Nursing Practice. 2012;18(4):417-22.

Godoy CBG, Guimarães EMP, Assis DSS. Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da Telenfermagem. Esc. Anna Nery. 2014;18(1):148-55.

Camacho ACLF. Análise das publicações nacionais sobre educação a distancia na enfermagem. Rev. Bras. Enferm. 2009;62(4):588-93.

Rodrigues RCV, Peres HHC. Panorama brasileiro do ensino de Enfermagem On-line. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(2):298-304.

Vilaça MLC. Educação a Distância e Tecnologias: conceitos, termos e um pouco de história. Revista Magistro, Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas – UNIGRANRIO. 2010 [citado 2015 Abr 15];1(2):89-101. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/magistro/article/viewFile/1197/801

Belloni ML. Educação a Distância. São Paulo: Editora Autores Associados, 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº198/GM/MS: institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da União, Brasília. 2006 Fev 23;Seção I,p. 43.

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº1996 GM/MS: substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação naSaúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília (DF); 2009.

Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educácion Permanente enSalud: una Estrategia para Interveniren La Micropolítica delTrabajoenSalud. Salud Coletiva. 2006;2(2):147-60.

Grossi MG, Kobayashi RM. A construção de um ambiente virtual de aprendizagem para educação à distância: uma estratégia educativa em serviço. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(3):756-60.

Mendes KDS; Silveira RCCP; Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008 [citado 2015 Mar 12];17(4):758-64. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf.

Lobato BC, Teixeira CRS, Zanetti GG, Zanetti ML, Oliveira MD. Evidências das implicações do diabetes mellitus no trabalho: uma revisão integrativa. Rev. Eletr. Enf. 2014;16(4):822-32.

Nicolussi AC. Qualidade de vida de pacientes com câncer de cólon e reto: uma revisão integrativa [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2008. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde03092008111111/publico/adrianacristinanicolussi.pdf

Stetler CB, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, et al. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Appl. nurs.res. 1998 [citado 2015 Mar 22];11(4):195-206. Disponível em:

Rodrigues RCV, Peres HHC. Desenvolvimento de Ambiente Virtual de Aprendizagem em Enfermagem sobre ressuscitação cardiorrespiratória em neonatologia. Rev. Esc. Enferm. USP, 2013;47(1):235-41.

Quelhas MCF, Lopes MHBM, Ropoli EA. Educação à distância em processos de esterilização de materiais. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(4):694-702.

Sanches LMP, Lopes MHBM. Educação à distância sobre cardioversão e desfibrilação para enfermeiros. Rev. Bras. Enferm. 2008;61(5):583-8.

Ribeiro MAS, Lopes MHBM. Desenvolvimento, aplicação e avaliação de um curso a distância sobre tratamento de feridas. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2006 [citado 2015 Mar 14];14(1):77-84. Disponível em:http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/2211/2327

Queiroz FM, Aroldi JBC, Oliveira GDS, Peres HHC, Santos VLCG. Úlcera venosa e terapia compressiva para enfermeiros: desenvolvimento de curso online. Acta Paul. Enferm. 2012;25(3):435-40.

Casaburi PR, Westin UM, Zem-Mascarenhas SH. Elaboração e avaliação de conteúdo educacional sobre Úlceras por Pressão. J. Health Inform. 2012;4(número esp.):120-4.

Xelegati R, Évora YDM. Desenvolvimento de ambiente virtual de aprendizagem em eventos adversos, em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011 [citado 2015 Mar 23];19(5): [08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n5/pt_16.pdf

Alves VLS, Cunha ICKO, Marin HF, Oliveira O. Criação de um WebSite para enfermeiros sobre Pé Diabético. Acta Paul. Enferm. 2006;19(1):56-61.

Lima MB, Silva CCF, Pagliuca LMF, Rebouças CBA. Educação à distância para comunicação entre enfermeiros e cegos. J. Health Inform. 2012;4(número esp.);226-9.

Silva LMG, Gutiérrez MGR, Domenico EBL. Ambiente virtual de aprendizagem na educação continuada em enfermagem. Acta Paul. Enferm. 2010;23(5):701-4.

Prado C, Silva IA, Soares AVN, Aragaki IMM, Shimoda GT, Zaniboni VF, Et al. Teleamamentação no Programa Nacional de Telessaúde no Brasil: a experiência da Telenfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(4):990-6.

Khatony A, Nayery ND, Ahmadi F, Haghani H, Vehvilainen- Julkunen K. The effectiveness of web-based and face-to-face continuing education methods on nurses' knowledge about AIDS: a comparative study. BMC Medical Education. 2009 [citado 2015 Mar 16];9(41):1-7. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6920-9-41.pdf

Gonçalves MBB, Rabeh SAN, Terçariol CAS. Contribuição da educação à distância para o conhecimento de docentes de enfermagem sobre avaliação de feridas crônicas. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015 [citado 2015 Mar 23];23(1):122-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n1/pt_0104-1169-rlae-23-01-00122.pdf

Alexander LK, Dail K, Horney JA, Davis MV, Wallace JW, Maillard J-M, et al. Partnering to meet training needs: a communicable-disease continuing education course for public health nurses in North Carolina. Public Health Reports. 2008;123(Suppl 2):36-43.

Padalino Y, Peres HHC. E-learning: Estudo comparativo da apreensão do conhecimento entre enfermeiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet] 2007 [citado 2015 Mar 14];15(3): [08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n3/pt_v15n3a06.pdf

Steeg LV, Ijkema R, Langelaan M, Wagner C. Can an e-learning course improve nursing care for older people at risk of delirium: a stepped wedge cluster randomisedtrial. BMC Geriatrics. 2014 [citado 2015 Mar 13];14:69. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1471-2318/14/69

Leite SM, Behar PA, Becker ML. A construção de ambientes virtuais de aprendizagem através de projetos interdisciplinares. In: Behar PA. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed; 2009. p. 114-45.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 35, de 4 de janeiro de 2007. Institui, no âmbito do Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Telessaúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 4. 2007 Jan 5;Seção 1. p. 85.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº2546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Brasil: Ministério da Saúde; 2011.

Guimarães EMP, Godoy SCB. Telenfermagem – Recurso para assistência e educação em enfermagem. Rev. Min. de Enferm. 2012;16(2):157-8.

Campos FE, Haddad AE, Wen CL, Alkmin MBM. Telessaúde em apoio à atenção primária à saúde no Brasil. In: Santos AF. Souza C. Alves HJ. Santos SF. Organizadores. Telessaúde: um instrumento de suporte assistencial e educação permanente. Belo Horizonte: UFMG; 2006. p. 59-74.

Filatro A. Learning design como fundamentação teórico-prática para o design instrucional contextualizado [tese]. São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo; 2008 [citado 2017 Ago 12]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062008 142556/publico/Cap1Introducao.pdf

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Delmo de Carvalho Alencar, Maria do Carmo Campos Pereira, Elaine Maria Leite Rangel Andrade

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.