Assistência de enfermagem durante o trabalho de parto e parto: a percepção da mulher

Luiza Mairla Soares Ferreira, Ana Deyva Ferreira dos Santos, Italla Maria Pinheiro Bezerra, Dailon de Araújo Alves, Simone Soares Damasceno, Maria de Fátima Esmeraldo Ramos de Figueiredo, Marta Regina Kerntopf, George Pimentel Fernandes, Izabel Cristina Santiago Lemos

Texto completo:

HTML

Resumen

 

Introdução: o processo de nascimento é uma experiência que deve ser vivenciada entre as mulheres e seus familiares; é historicamente um evento natural, de caráter íntimo e privado, e que vem sendo um processo repensado e reformulado, principalmente devido às mudanças significativas na área da medicina. Destaca-se, a figura do profissional de enfermagem como indispensável para o alcance de um parto fundamentado na humanização, com intuito de resgatar a autonomia da mulher.

 

Objetivo: investigar a assistência de enfermagem ao trabalho de parto e parto, através da percepção das parturientes, buscando desse modo, contribuir para o aprimoramento do cuidado, uma vez que esse, para ser realizado, precisa da contribuição direta tanto do profissional, quanto do cliente.

 

Métodos: trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, tendo como sujeitos da pesquisa 16 puérperas com idade entre 19 e 39 anos. A coleta de dados foi feita por meio de entrevista semiestruturada. Para análise de dados utilizou-se o Discurso do Sujeito Coletivo (DSC).

 

Resultados: foram identificadas 16 ideias centrais para 4 perguntas, evidenciando uma relativa satisfação das parturientes com a assistência de enfermagem prestada. Conclusões: melhorias vêm sendo realizadas na assistência de enfermagem durante o processo de nascimento, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido para que esses avanços cheguem ao alvo final de uma assistência inteiramente humanizada.

 

Palavras chave: parto humanizado; parto normal; cuidado de enfermagem.

 

 


Palabras clave

Parto humanizado; Parto Natural; Atención de Enfermería.

Referencias

Reis SP, Meincke SMK, Bielemann VLM, Carraro TE, Lopes CV. Percepção das puérperas quanto ao cuidado prestado pela equipe de saúde durante o trabalho de parto. Cienc, Cuid e Saúde [Internet]. 2013 [acesso em 2016 jan 18]; [aprox.. 4 p]. Disponível em http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/download/20938/pdf.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVP, Felipe GF. Percepção de mulheres sobre a vivência do trabalho de parto e parto. Rev. Rene. 2010; 11(esp.): 32-41.

Andrade MAC, Lima JBMC. O modelo obstétrico e neonatal que defendemos e com o qual trabalhamos. Cadernos HumanizaSUS. 2014; 4: 19-46.

Malheiros PA, Alves VH, Rangel TSA, Vargens OMC. Parto e nascimento: saberes e práticas humanizadas. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(2): 329-337.

Gramacho RCCV, Silva RCV. Enfermagem na cena do parto. Cadernos HumanizaSUS. 2014; 4:184-200.

SOUZA LO. Acolhimento à parturiente: percepção da equipe de Enfermagem [monografia]. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2010.

Silva DC, Rodrigues ARGM, Pimenta CJL, Leite ES. Perspectiva das puérperas sobre a assistência de enfermagem humanizada no parto normal. REBES. 2015; 5(2): 50-56.

Lefevre F, Lefevre A. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: EDUSC; 2005.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.12.ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Lefevre F, Lefevre A. O que é o DSC/Qualiquantisoft. IPDSC – Instituto de Pesquisa do Discurso do Sujeito Coletivo, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2015.

Caus ECM, Santos EKA, Nassif AA, Monticelli M. O processo de parir assistido pela enfermeira obstétrica no contexto hospitalar: significados para as parturientes. Esc Anna Nery. 2012; 16(1): 34-40.

Salim NR, Soares GCF, Brigagão JIM, Gualda DMR. Os sentidos do cuidado no parto: um estudo intergeracional. Cogitare enfer. 2012; 17(4): 628-634.

Andrade MAC, Lima JBMC. O modelo obstétrico e neonatal que defendemos e com o qual trabalhamos. Cadernos HumanizaSUS. 2014; 4: 19-46.

Pinheiro BC, Bittar CML. Expectativas, percepções e experiências sobre o parto normal: relato de um grupo de mulheres. Fractal, Rev Psico. 2013; 25(3): 585-602.

Gonçalves L, Ferigato S, Souza TP, Cunha GT. Parto domiciliar como um dispositivo de humanização das práticas de saúde no Brasil. Cadernos HumanizaSUS. 2014; 4: 233-254.

Rocha JA, Novaes PB. Uma reflexão após 23 anos das recomendações da Organização Mundial da Saúde para parto normal. Femina. 2010; 38(3): 119-126.

Davim RMB, Torres GV, Dantas JC. Efetividade de estratégias não farmacológicas no alívio da dor de parturientes no trabalho de parto. Rev. Esc Enfer. 2009; 43(2): 438-445.

Junior ARF, Barros NF, Carvalho LC, Silva RM. A doula na assistência ao parto e nascimento. Cadernos HumanizaSUS. 2014; 4: 201-214.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Luiza Mairla Soares Ferreira, Ana Deyva Ferreira dos Santos, Italla Maria Pinheiro Bezerra, Dailon de Araújo Alves, Simone Soares Damasceno, Maria de Fátima Esmeraldo Ramos de Figueiredo, Marta Regina Kerntopf, George Pimentel Fernandes, Izabel Cristina Santiago Lemos

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.