Perfil de atendimentos do código azul em um hospital escola especializado em cardiopneumologia

Eduesley Santana-Santos, Diego Gutierrez Bezerra, Maria Roselene Alberto, Fátima Gil Ferreira, Jurema da Silva Herbas Palomo, Carla Cristina Buri da Silva, Vanessa Santos Sallai

Texto completo:

HTML

Resumen

Objetivo: descrever os dados epidemiológicos dos resultados do atendimento do código azul de pacientes adultos em unidades de internação de um hospital especializado em cardiologia. Métodos: trata-se de um estudo transversal retrospectivo realizado em um hospital terciário especializado em cardiopneumologia de alta complexidade. A amostra foi composta por 88 registros de atendimentos do Código Azul entre período de setembro de 2010 e junho de 2014, sendo excluídos os registros subsequentes desta data. Resultados: os pacientes atendidos pelo código azul tinham média de idade de 66 + 18 anos, com predomínio do sexo masculino (52,3%). A maioria dos casos ocorreu no plantão noturno, o tempo médio de chegada da equipe o TRR foi de 1 a 4 minutos, com duração de RCP em 26 min. Na maioria dos registros o ritmo de PCR mais prevalente foi a de AESP com 36(40%) dos casos. Após serem instituídas as medidas de RCP pela equipe do TRR, 42% dos pacientes apresentaram retorno à circulação espontânea (RCE) e 58% teve como desfecho o óbito imediatamente após a RCP. Dos 37 pacientes que apresentaram RCE, 21 destes evoluíram para óbito nas primeiras 24 horas após a PCR, 04 dos demais morreram durante a internação. Dos 13 pacientes que tiveram alta hospitalar, 3 apresentaram algum tipo de sequela neurológica permanente em decorrência da PCR. A mediana do tempo de internação em UTI foi de 3 (0 – 74) dias e de internação hospitalar foi 20 (1 – 174). Conclusão: a partir desta investigação observamos elevada mortalidade nos pacientes com algum acometimento cardiopulmonar que apresentam PCR, mesmo após o atendimento sistematizado, prestado de forma rápida, por um time treinado de acordo com as diretrizes da American Heart Association, devido as morbidades associadas a este perfil de pacientes. A população atendida era majoritariamente idosa, tendo como diagnóstico da admissão mais frequente a insuficiência cardíaca, seguido de infecção.

Palabras clave

Equipe de Respostas Rápidas de Hospitais; Parada Cardíaca; Enfermagem

Referencias

Roger VL, Go AS, Lloyd-Jones DM, Benjamin EJ, Berry JD, Borden WB, et al. Heart disease and stroke statistics--2012 update: a report from the American Heart Association. Circulation. 2012;125(1):e2-e220.

DATASUS Ministério da Saúde -. Informações de saúde Mortalidade. 2011.

Zheng ZJ, Croft JB, Giles WH, Mensah GA. Sudden cardiac death in the United States, 1989 to 1998. Circulation. 2001;104(18):2158-63.

Gonzalez MM, Timerman S, de Oliveira RG, Polastri TF, Dallan LA, Araújo S, et al. I guideline for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiovascular care -- Brazilian Society of Cardiology: executive summary. Arq Bras Cardiol. 2013;100(2):105-13.

Quilici AP, Nunes TCS, Timerman S. Morte súbita e parada cardiorrespiratória. In: Quilici AP, Bento AM, FG F, editors. Enfermagem em Cardiologia. 1. São Paulo2009. p. 409-32.

Veiga VC, de Carvalho JC, Amaya LEC, Gentile JKA, Rojas SSO. Atuação do Time de resposta rápida no processo educativo de atendimento da parada cardiorrespiratória. Rev Bras Clin Med 2013 11(3):258-62.

Lopes JL, Gengo e Silva RC, Quilici AP, Herbas Palomo JS, Ferreira FG. Implantação dos Times de Resposta Rápida: Experiência de um hospital de alta complexidade em cardiopneumologia. Rev Bras Clin Med 2012 10(5):394-7.

(IHI) IoHI. Determine the Range of Rapid Response Team Interventions 2011.

Institute of Healthcare Improvement I. Determine the Range of Rapid Response Team Interventions 2011.

Cummins RO, Chamberlain D, Hazinski MF, Nadkarni V, Kloeck W, Kramer E, et al. Recommended guidelines for reviewing, reporting, and conducting research on in-hospital resuscitation: the in-hospital 'Utstein style'. American Heart Association. Circulation. 1997;95(8):2213-39.

Field JM, Hazinski MF, Sayre MR, Chameides L, Schexnayder SM, Hemphill R, et al. Part 1: executive summary: 2010 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation. 2010;122(18 Suppl 3):S640-56.

Ravetti CG, Silva TO, Moura AD, Carvalho FB. Study of resuscitated in- and out-hospital cardiorespiratory arrest patients undergoing therapeutic hypothermia. Rev Bras Ter Intensiva. 2009;21(4):369-75.

Cavalcante TMC, RS L. O atendimento à parada cardiorrespiratória em unidade coronariana segundo o Protocolo Utstein. Acta Paul Enferm. 2006;19:7-15.

Timerman AS, N., Piegas LS. Prognostic factors of the results of cardiopulmonary resuscitation in a cardiology hospital. Arq Bras Cardiol 2001;77:152-60.

Meaney PA, Nadkarni VM, Kern KB, Indik JH, Halperin HR, Berg RA. Rhythms and outcomes of adult in-hospital cardiac arrest. Crit Care Med. 2010;38(1):101-8.

Chan PS, Khalid A, Longmore LS, Berg RA, Kosiborod M, Spertus JA. Hospital-wide code rates and mortality before and after implementation of a rapid response team. JAMA. 2008;300(21):2506-13.

Gonçales PD, Polessi JA, Bass LM, Santos GeP, Yokota PK, Laselva CR, et al. Reduced frequency of cardiopulmonary arrests by rapid response teams. Einstein (Sao Paulo). 2012;10(4):442-8.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Eduesley Santana-Santos, Diego Gutierrez Bezerra, Maria Roselene Alberto, Fátima Gil Ferreira, Jurema da Silva Herbas Palomo, Carla Cristina Buri da Silva, Vanessa Santos Sallai

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.