Perfil de clientes hospitalizados com lesões cutâneas

Carla Chibante Carla Chibante, Fátima Helena Espírito santo Fátima, Thayane Dias Santos Thayane

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: ao se identificar os tipos mais frequentes de lesões que acometem os clientes internados, o enfermeiro deve planejar, organizar, implementar e avaliar as ações de cuidado a portadores de lesões ulcerativas, cirúrgicas e/ou traumáticas procurando minimizar o tempo de internação, diminuir os custos das internações prolongadas em decorrência de complicações e iatrogenias.
Objetivo: caracterizar o perfil de clientes hospitalizados com lesões cutâneas.
Métodos: estudo quantitativo e exploratório realizado nas enfermarias de clínica médica de um Hospital Universitário no Estado do Rio de Janeiro com 50 clientes que apresentavam alguma lesão cutânea no período de abril a julho de 2014. Foram utilizados dois instrumentos para coleta de dados: análise documental em prontuário e entrevista estruturada. Os dados foram submetidos à análise estatística simples.
Resultados: maioria do sexo feminino (58 %), média de idade de 58,33 ± 16,83 anos. A lesão cutânea mais prevalente foi a úlcera por pressão (20,3 %) e quanto ao local, as lesões estavam localizadas nos membros inferiores (25,4 %).
Conclusão: o cuidado das lesões torna-se um aspecto importante na sistematização da assistência de enfermagem, pois o enfermeiro não deve contemplar somente a realização dos curativos, mas avaliar os fatores etiológicos e de risco relacionados à lesão cutânea. 

Palabras clave

enfermería; atención de enfermería; heridas y traumatismos; hospitalización.

Referencias

Potter PA, Perry AG. Fundamentos de Enfermagem. 8ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013.

Dealey C. Cuidando de feridas: um guia para as enfermeiras. 3ª ed. São Paulo: Atheneu Editora; 2008.

Borges EL, Saar SRC, Lima VLAN, Gomes FSLG, Magalhães MBB. Feridas: como tratar. Belo Horizonte: Coopmed; 2008.

Cunha NA. Sistematização da assistência de enfermagem no tratamento de feridas crônicas. Fundação de Ensino Superior de Olinda- FUNESO. Olinda; 2006.

Bellaguarda MLR, Padilha MI, Neto AFP, Pires D, Peres MAA. Reflexão sobre a legitimidade da autonomia da enfermagem no campo das profissões de saúde à luz das ideias de Eliot Freidson. Esc. Anna Nery 2013;17(2):369-74.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília; 2012.

Sales MCM, Borges EL, Donoso MTV. Risco e prevalência de úlceras por pressão em uma unidade de internação de um hospital universitário de Belo Horizonte. Rev Min Enferm 2010;14(1):566-75.

Oliveira BGRB, Nogueira GA, Carvalho MR, Abreu AM. Caracterização dos pacientes com úlcera venosa acompanhados no Ambulatório de Reparo de Feridas. Rev Eletr Enf [Internet] 2012;14(1):156-63 [acesso em 20 nov 2014]. Disponível: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/10322

Barreto APCP, Araújo BC, Vieira JCM. Perfil sociodemográfico e clínico de pacientes com úlceras por pressão. Rev Enferm UFPE on line 2011;5(9):2152-60.

Maffei FHA. Insuficiência venosa crônica: conceito, prevalência, etiopatogênia e fisiopatologia. Doenças vasculares periféricas. Rio de janeiro: Guanabara Koogan; 2008.

Coelho MF, Goulart BF, Chaves LDP. Clinical emergencies: profile of hospital assistance. Rev Rene 2013;14(1):50-9.

Campos SF, Chagas ACP, Costa ABP, França REM, Jansen AK. Fatores associados ao desenvolvimento de úlceras de pressão: o impacto da nutrição. Rev Nutr 2010; 23(5):703

Silva DP, Barbosa MH, Araújo DF, Oliveira LP, MELO AF. Úlcera por pressão: avaliação de fatores de risco em pacientes internados em um hospital universitário. Rev Eletr Enf [Internet] 2011;13(1):118-23 [acesso em 20 nov 2014]. Disponível: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v13/n1/pdf/v13n1a13.pdf

Cremasco MF, Wenzel F, Sardinha FM, Zanei SSV, Whitaker IY. Pressure Ulcer: Patient Risk, Patient Acuity, and Nursing Workload. Acta Paul Enferm 2009;22(n.especial):897-902.

Gomes T, Cade NV, Rohr RV, Fejoli MM. Caracterização das lesões crônicas e os fatores associados em moradores de um território de saúde em Vitória, Espírito Santo. Rev Bras Pesq Saúde 2011;13(1):52-7.

Santos CT, Oliveira MC, Pereira AGS, Suzuki LM, Lucena AF. Indicador de qualidade assistencial úlcera por pressão: análise de prontuário e de notificação de incidente. Rev Gaúcha Enferm [Internet] 2013;34(1):111-18 [acesso em 10 dez 2014]. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472013000100014&script=sci_arttext

Luz SR, Lopacinski AC, Fraga R, Urban CA. Úlceras de pressão. Geriatria e Gerontologia 2010;4(1):36-43.

Silva RCL, Figueiredo NMA, Meireles IB, Costa MM, Silva CRL. Feridas: fundamentos e atualizações em enfermagem. 3ªed. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora; 2011.

Ferreira AM, Souza BMV, Rigotti MA, Loureiro MRD. Utilização dos ácidos graxos no tratamento de feridas: uma revisão integrativa da literatura nacional. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(3):752-60.

Maciel EAF, Carvalho DV, Borges EL, Silqueira MS, Guimarães GL. Prevalência de feridas em pacientes internados em hospital de grande porte. Rev Enferm UFPI 2014; 3(3):66-72.

Scarletti KC, Michel JLM, Gamba MA, Gutiérrez MGR. Pressure ulcer in surgery patients: incidence and associated factors. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(6):1372-9.

Martin IS et al. Root causes for the development of foot ulcers of people with diabetes mellitus. Acta paul. Enferm 2012;25(2):218-24.

Lima ACB, Guerra DM. Evaluation of the cost of treating pressure ulcers in hospitalized patients using.Ciência & Saúde Coletiva 2011;16(1):267-77.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2015 Carla Chibante Carla Chibante, Fátima Helena Espírito santo Fátima, Thayane Dias Santos Thayane

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.