Sofrimento vivenciado por pessoas idosas que convivem com úlcera venosa

Aline Cristiane de Sousa Azevedo Aguiar, Dora Sadigursky, Lucas Amaral Martins, Tânia Maria de Oliva Menezes, Luana Araújo dos Reis, Alana Libânia de Souza Santos

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: a úlcera varicosa caracteriza-se por ser uma lesão cutânea que acomete o terço inferior das pernas e afetam de 1 % a 2 % da população mundial, sendo mais incidente em pessoas acima de 65 anos. Essa não se resume a uma lesão física, representa uma marca que causa estímulos negativos na vida dos indivíduos e o sofrimento passa a fazer parte do cotidiano desses.
Objetivo: analisar o sofrimento vivenciado por pessoas idosas que convivem com úlceras venosas.
Métodos: estudo exploratório e descritivo, de abordagem qualitativa, realizado no ano de 2012, com oito idosos em uma Clínica de Fisioterapia no interior da Bahia-Brasil. As informações foram coletadas através de entrevistas semiestruturadas e analisadas através da técnica de análise de conteúdo temática de Bardin, emergindo as categorias temáticas: a úlcera venosa provoca dor; a úlcera venosa provoca recidiva e a úlcera venosa provoca limitações.
Resultados: o estudo revelou que o sofrimento vivenciado por pessoas idosas que convivem com úlceras venosas foi marcado pela dor, por frequentes recidivas e por limitações cotidianas.
Conclusão: o sofrimento vivenciado não se resume a aspectos físicos, mas, repercute também na ruptura do bem estar biológico, psicológico, emocional e social dos envolvidos. Assim, é necessário que, além do saber técnico-científico, os enfermeiros valorizem a experiência de vida do idoso e os aspectos subjetivos que o envolve.


Palabras clave

Úlcera varicosa;Ancianos;Enfermería

Referencias

Santos FAAS, Melo RP, Lopes MVO. Characterization of health status with regard to tissue integrityand tissue perfusion in patients with venous ulcers according to the nursing out comes classification. J. Vasc. Nurs [internet]. 2010 [acesso 3 junho 2015]; 28(1): 1420. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20185076

Sellmer D, Carvalho CMG, Carvalho DR, Malucelli A. Sistema especialista para apoiar a decisão na terapia tópica de úlceras venosas. Rev. Gaúcha Enferm. [internet]. 2013 [acesso 9 julho [2015]; 34(2):154-62. Disponível em:

http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/30311/26051

Santos RFFN, Porfirio GJM, Pitta GBB. A diferença na qualidade de vida de pacientes com doença venosa crônica leve e grave. J. Vasc. Bras [internet]. 2009 [acesso 21 julho 2015]; 8(2):1437. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jvb/v8n2/a08v8n2

Costa IKF, Nóbrega WG, Costa IKF, Torres GV, Lira ALBC, Tourinho FSV, et al. Pessoas com úlceras venosas: estudo do modo psicossocial do modelo adaptativo de Roy. Rev Gaúcha Enferm [internet]. 2011 [acesso 18 agosto 2015]; 32(3): 561-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000300018

Angélico RC P, Oliveira AKA, Silva DDN, Vasconcelos QLDQ, Costa I KF, Torres GV. Socio-demographicprofile, clinicalandhealthofpeoplewithvenousulcerstreatedat a university hospital. J Nurs UFPE online [Internet]. 2012 [acesso 10 setembro 2015]; 6(1): 112-20 Disponível em:

http://www.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/2100/pdf_759.

Waidman MAP, Rocha SC, Correa JL, Brischiliari A. O cotidiano do indivíduo com ferida crônica e sua saúde Mental. Revista Texto Contexto Enfermagem [internet]. 2011 [acesso 24 julho 2015]; 20(4): 6919. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n4/07.pdf

Ximenes S. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: 2ª edição Ediouro; 2000

Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. Mini-mental state: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatric Res. [internet] 1975 [acesso 18 abril 2015]: 12:189-98. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1202204

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Lopes FM, Bonato ZF. Cuidados aos portadores de úlcera venosa: percepção dos enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família. Rev Eletrônica TrimestrEnferm [internet]. 2012 [acesso 13 julho 2015]; 28: 147-58. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/viewFile/145431/138631

Lara MO, Junior ACP, Pinto JSF, Vieira NF, Wichr P. Significado da ferida para portadores de úlceras crônicas. Cogitare Enferm [internet]. 2011 [acesso 18 abril 2015]; 16(3): 471-7. Disponível em:

http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/viewFile/20178/16232.

Aguiar ACSA. Percepção de idosos que convivem com úlceras venosas. [dissertação]. Bahia (BA): Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia; 2013.

Silva DC, Budó MLD, Schimith MD, Ecco L, Costa IKF, Torres, GV. Experiências construídas no processo de viver com a úlcera venosa.Cogitare Enferm [internet]. 2015 Jan/Mar [acesso 28 agosto 2015]; 20 (1): 13-9. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/viewFile/37784/24829.

Oliveira SHS, Soares MJGO, Rocha OS. Uso de cobertura com colágeno e aloe vera no tratamento de ferida isquêmica: estudo de caso. Rev. Esc. Enferm. USP [internet]. 2010 [acesso 14 agosto 2015]; 44(2): 346-51. Disponível em:

.

Aguiar ACSA, Martins LA, Reis LA, Barbosa TSM, Camago CL, Alves, MR. Alteraciones enel estilo de vida de personas que padecen úlcera venosa. Revista Cubana de Enfermeria [internet] 2014 [acesso 02 setembro 2015]; 30(3): 36-47.Disponível em: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/510/98.

Melo LP, Silva NP, Silva KCL, Ponte MPTR, Gulada DMR. Representações e práticas de cuidado com a ferida crônica de membro inferior: uma perspectiva antropológica. Cogitare Enfermagem. [internet] 2011 [acesso 25 julho 2015]; 16(2): 303-10, Abr/Jun.. Disponível em:.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.